segunda-feira, 26 de setembro de 2011

RELEMBRANDO O ROCK DE VERDADE (Philips Monster of Rock)

Nascido em 1980, o Monsters of Rock era um festival anual promovido em agosto na pista de corridas do Castelo Donington na Inglaterra. Além das edições inglesas, muitos países também tiveram suas edições. Entre eles, o Brasil.

Assim, inspirado por este link, resolvi trazer algum material das 4 edições brasileiras. que viram shows do Philips Monsters of Rock, em São Paulo – e que devem, claro, contribuir / comentar neste post as experiências e lembranças.

1994

São Paulo, Estádio do Pacaembu – August 27, 1994

  • Kiss
  • Black Sabbath
  • Slayer
  • Suicidal Tendencies
  • Viper
  • Raimundos
  • Angra
  • Dr. Sin

1995

São Paulo, Estádio do Pacaembu – September 2 and 3, 1995

  • Ozzy Osbourne
  • Alice Cooper
  • Megadeth
  • Faith No More
  • Paradise Lost
  • Therapy?
  • Clawfinger
  • Rata Blanca
  • Virna Lisi

1996

São Paulo, Estádio do Pacaembu – August 24, 1996

  • Héroes del Silencio
  • Mercyful Fate
  • King Diamond
  • Helloween
  • Raimundos
  • Biohazard
  • Motörhead
  • Skid Row
  • Iron Maiden

Quatorze anos após o show do IRON MAIDEN no Pacaembú, em São Paulo/SP, foi digitalizada e disponibilizada no YouTube, por Adriano Ribeiro, uma gravação caseira da apresentação.

Esse foi o primeiro show no Brasil com o vocalista BLAZE BAYLEY, e o vídeo demonstra claramente a baixa aceitação do novo vocalista pelo público, especialmente na música "Afraid to Shoot Strangers", onde errou a letra.

O show fez parte do festival “Philips Monster of Rock”, ocorrido em 23 de agosto de 1996, que contou também com a presença das bandas HEROES DEL SILENCIO, MERCYFUL FATE, KING DIAMOND, HELLOWEEN, RAIMUNDOS, BIOHAZARD, MOTÖRHEAD e SKID ROW.

O setlist incluiu diversas músicas executadas também nas apresentações da mais recente turnê da banda, “Somewhere Back in Time”, em 2008 e 2009: “The Trooper”, “The Number of The Beast”, “Hallowed be thy Name”, “The Clairvoyant”, “Iron Maiden”, “Fear of the Dark”, “Sanctuary”, “2 Minutes to Midnight”, “The Evil That Men Do”, “Heaven Can Wait” e “Wrathchild”. O repertório contou também com “Running Free” e “Afraid to Shoot Strangers”, além das até então novíssimas “Man on The Edge”, “Lord of the Flies”, “Fortunes of War”, “Blood On The World's Hands”, “The Aftermath” e “Sign of The Cross”, totalizando 19 músicas.

Todos os vídeos podem ser conferidos em
http://www.youtube.com/view_play_list?p=5941FB824AF76A101998


1998 - São Paulo, Ibirapuera – September 26, 1998

  • Manowar
  • Megadeth
  • Slayer
  • Savatage
  • Saxon
  • Dream Theater
  • Dorsal Atlântica
  • Korzus
  • Glenn Hughes

- A Philips foi a empresa que promoveu o evento no país.

- Os três primeiros Monsters tiveram como sede o estádio do Pacaembu. O último ocorreu no Ibirapuera.

- O maior público foi registrado em 1996. Nada menos que 50 mil pessoas presentes, número muito motivado pela primeira apresentação do Iron Maiden no Brasil com o vocalista Blaze Bayley.

Não bastasse a já dura tarefa de se apresentar duas vezes seguidas, King ainda precisou superar um contratempo de ordem intestinal. Após se esbaldar com pratos de feijoada, o cantor justificou sua alcunha de Rei e precisou sentar no trono inúmeras vezes nos dias seguintes.

- Megadeth, Slayer e Raimundos foram as bandas que mais se apresentaram na história do festival. Cada uma participou duas vezes.

- O baterista Jimmy DeGrasso esteve presente em três edições. Em 1994 com o Suicidal Tendencies, 1995 com Alice Cooper e 1998 com o Megadeth.

- Headliners do primeiro Monsters, o KISS surpreendeu por não tocar o seu maior clássico, “Rock and Roll All Nite”.

- Nesse show, Paul Stanley cometeu duas gafes. Dedicou “Cold Gin” a quem tinha visto a banda em 1982 (erro que também constava no press-release). E anunciou “I Stole Your Love”, do álbum Love Gun como sendo de Rock and Roll Over.

No mesmo ano, o Black Sabbath trouxe uma formação atípica, com todos os instrumentistas da formação original e o vocalista Tony Martin, que jamais havia tocado com o baterista Bill Ward anteriormente.

- Apesar de toda sua história, o Sabbath se apresentou antes do Slayer. Na coletiva oficial, ao ser perguntado sobre a situação dos veteranos, o guitarrista Kerry King disparou: “Eles já deviam ter se aposentado faz muito tempo” (!!!).

- Equivocadamente escalados para o evento em 1995, o Virna Lisi foi hostilizado pela platéia o tempo todo. O ápice aconteceu quando o vocalista anunciou que iam “tocar um samba, pois estamos no Brasil”. As coisas só acalmaram um pouco quando Igor Cavalera entrou para uma participação especial.

- Um ano mais tarde, a vítima da vez seria o Skid Row. Tocando entre Iron Maiden e Motörhead, o grupo serviu de alvo para tudo que os headbangers tinham em mãos. A experiência foi tão traumatizante que Sebastian Bach lembra até hoje e constantemente cita o momento. Basicamente, este trauma só passou no retorno dele ao país em 2010, abrindo para o Guns N’ Roses – shows que o público idolatrou Sebastian e fez com que ele ganhasse (e adotasse largamente) o apelido “Tiãozinho” – relembre aqui a Cobertura Minuto HM para estes shows em Brasília e São Paulo.

- Três shows realizados no festival foram lançados oficialmente. O Kiss incluiu sua participação como bônus no terceiro volume da série de DVDs KISSology. Também no formato, o Manowar incluiu sua apresentação em 1998 como atração principal em Hell On Earth Part II. Do mesmo ano, o Korzus retirou sua apresentação para o CD Live at Monsters of Rock.

- O Slayer foi headliner da última edição, embora inicialmente não estivesse programado para tal função. A produção tentou trazer Judas Priest e Van Halen, mas não teve sucesso nas investidas. Coube a Tom Araya e seus asseclas realizar o último concerto da história do Monsters of Rock Brasil.

Pequenas curiosidades que rolaram nas 4 edições do festival:

- Uma “quase” formação original do Black Sabbath esteve presente na edição de 1994. Tony Martin que acabou tendo a difícil missão de encarnar Ozzy Osbourne na frente de 50 mil pessoas.

-Slayer, Megadeth e Raimundos participaram em mais de uma edição.

-O baterista Jimmy DeGrasso tocou em duas edições com bandas diferentes. 1994 com o Suicidal Tendencies, e em 1998 com o Megadeth
-A edição de 1996 marcou o fim da formação original do Skid Row. Isso mesmo, a última turnê sob o comando de Sebastian Bach ocorreu na América do Sul na época do festival.

-Por falar em Raimundos, a banda foi motivo de uma das maiores polêmicas do festival quando, em 1996, tocou depois do Helloween, com o dobro do tempo, luz, equipo e etc. Isso deixou muito fã da abóbora alemã pra lá de emputecido.

-A edição “gringa”do Monsters, ocorreu por diversos anos na região de Castle Donington, na Inglaterra. A primeira em 1980, e a última em 1996.

-Se fosse eleger os “vilões” do festival, 3 vocalistas disputariam a taça. César Maurício do Virna Lisi, tomou a maior vaia quando disse “vou tocar um baião pois estamos no Brasil” na edição de 1995. No ano seguinte, foi a vez de Sebastian Bach (Skid Row) ser alvo de tudo quanto é tipo de objetos impiedosamente atirados ao palco, e Blaze Bailey (Iron Maiden), que foi vítima de duras críticas pela imprensa especializada.

-Também em 1996, King Diamond se apresentou com o Mercyful Fate e, em seguida, com sua banda solo. Ele não costuma fazer isso com tanta frequência.

-A banda brasileira mais famosa de todos os tempos, o Sepultura, curiosamente não participou de nenhuma das 4 edições.


É UMA PENA UM EVENTO DIGNO DE ROCK PURO, TENHA ACABADO.


Fonte: Blog Van Halen, Blog minutohm,

terça-feira, 26 de julho de 2011

Oi promete internet sem fio em todos seus orelhões

A empresa de telefonia Oi montou um projeto para oferecer internet banda larga sem fio de forma gradativa nos orelhões espalhados pelo país, informa reportagem de Fernando Rodrigues para a Folha.

A íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL (empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

Se houver patrocínio para os novos equipamentos, o serviço será gratuito para o usuário. Outra saída estudada será vender cartões com senhas de acesso.

O Brasil tem hoje 1,1 milhão de telefones públicos. Desses, 824 mil são da Oi. Com o aumento do uso do celular, esses equipamentos ficaram ociosos, mas são uma grande riqueza logística: todos estão ligados a um par de fios metálicos que os conecta a uma central telefônica.

Essa infraestrutura seria usada para oferecer acesso aberto à internet aos pedestres munidos de telefones, laptops ou qualquer aparelho habilitado para conexão sem fio à web. A velocidade de acesso será de até 2 megabits por segundo (Mbps), o dobro do previsto no Plano Nacional de Banda Larga.

O projeto tem por base um contrato firmado entre a Oi e a Populus Propaganda e Marketing Ltda., comandada por Mayra Fonseca Couto Souza Carmo, filha do ex-deputado federal Paulo Heslander (PTB-MG). A Populus viabilizaria publicidade nas novas cabines para pagar pelo uso da infraestrutura e remunerar a Oi. Nessa hipótese, o acesso seria gratuito.

Fonte: Folha.com

segunda-feira, 18 de julho de 2011

11 coisas que estão sendo ameaçadas pelas novas tecnologias

Tablets, smartphones, GPS, caixas eletrônicos,... a inclusão dessas novas tecnologias no nosso cotidiano só nos trouxe benefícios. Mas enquanto adotamos esses novos costumes, seja para agilizar ou apenas melhorar o nosso dia a dia, o jeito antigo de fazer as coisas começa a desaparecer lentamente.

Pelo menos foi isso o que aconteceu com os botões para trocar canal na televisão, depois do controle remoto; com as moringas, substituídas por refrigeradores; ou com os portões fechados à corrente e cadeado, após a popularização dos portões automáticos.

Como você pode notar, muitos deles ainda existem e são usados, mas seus substitutos já estão aí no mercado, fazendo muito mais sucesso - e fornecendo muito mais conforto e praticidade para as pessoas. Mas você já parou para imaginar o que, em breve, pode começar a cair em desuso? O TechTudo fez uma lista com 11 coisas que certamente terão seu uso reduzido em um futuro bem próximo. Confira abaixo:

"Só ligar o fio amarelo nesse conector aqui e está pronto" (Foto: Desconhecido)
"Só ligar o fio amarelo nesse conector aqui e está pronto" (Foto: Desconhecido)

11. Fios

Vamos pegar como exemplo a ligação da combinação de um BluRay, com TV e home theater : é um cabo HDMI para ligar o vídeo do Blu-ray à TV, um cabo de áudio para ligar o Blu-ray ao home theater, mais seis cabos para distribuir o áudio 5.1 do home theater nas caixas de som, além de um cabo de energia para cada aparelho. Total: 11 cabos passando por detrás da sua estante da sala (isso porque não contamos nem a TV à cabo!).

Atualmente já existem sistemas que operam praticamente sem fio, eliminando, pelo menos, esses seis cabos do home theater, e em algumas montagens mais caras, também, a transmissão do sinal de áudio e de vídeo. Infelizmente, no entanto, a única coisa que tem "atrapalhado", de fato, o fim dos fios na sua sala ou atrás do seu computador, é o cabo de energia.

Você consegue ver o orelhão? (Foto: Desconhecido)
Você consegue ver o orelhão? (Foto: Desconhecido)

10. Telefone fixo / Orelhão

Hoje em dia você pode achar qualquer pessoa, em qualquer lugar, desde que ela esteja usando um celular. O único problema é que as tarifas ainda não estão muito amigáveis para abrirmos mão de uma linha telefônica fixa, mas já existem vários lares no Brasil e no mundo em que não há nenhum telefone fixo em casa. Já o Orelhão pode ser a salvação para quem está com o celular descarregado, mas seu estado de conservação nem sempre ajuda.
Próximo! (Foto: Desconhecido)
Próximo! (Foto: Desconhecido)

9. Fila de banco

Já é possível fazer praticamente todas as operações que você faz nos caixas eletrônicos via Internet. Basta acessar o site do banco, usando sua senha, para pagar suas contas, ver seus extratos, mexer na poupança, tirar dúvidas com atendentes, dentre várias outras coisas. Só ainda não acharam uma solução pra sacar dinheiro, apesar de que, em alguns países, existe um sistema no qual você pode sacar dinheiro em qualquer estabelecimento comercial.


Compras coletivas (Foto: Arte)
Compras coletivas (Foto: Arte)

8. Pagar caro

A combinação Compras coletivas + Comparadores de preços definitivamente está acabando com os estabelecimentos 'careiros'. A não ser que você realmente queira comer naquele restaurante chique ou comprar aquela edição ultra limitada do seu gadget preferido, em breve não haverá mais motivo para pagar um preço à mais por algo que possa ser achado em qualquer lugar. Bom pra gente, né?


Só faltava ele dizer as condições da estrada (Foto: Divulgação)
Só faltava ele dizer as condições da estrada (Foto: Divulgação)

7. Se perder

Assim como praticamente todos os veículos possuem player de música, a tendência é que o GPS também se torne um acessório comum. Claro... até hoje ainda existem aqueles guias de ruas grandões, mas o fato de eles serem limitados geograficamente (por cidade ou estado), o desgaste natural e, é claro, a falta de recursos como o de desenhar o percurso pra você, verificando se tem trânsito no caminho e procurando rotas alternativas, certamente darão um fim aos guias (e ao fato de você sair por aí perguntando como chegar nos lugares)


Netflix, Hulu, Blockbuster e iTunes Store são alguns dos serviços de vídeo sob demanda que podem dar fim às locadoras (Foto: Reprodução)
Netflix, Hulu, Blockbuster e iTunes Store são alguns dos serviços de vídeo sob demanda que podem
dar fim às locadoras (Foto: Reprodução
)

6. CDs, DVDs, e locadoras de filmes

No exterior a coisa já tá indo para esse caminho, e falta pouco para o Brasil também começar a embarcar nessa onda. Os CDs, por exemplo, já estão dando seus últimos sinais de vida, já que é possível comprar as músicas via Internet, ou mesmo apenas ouvi-las, sem comprar, pelo YouTube.
Quanto aos filmes, serviços como o Netflix, que já funcionam nos Estados Unidos, permitem que você compre e baixe os filmes e séries que você quiser assistir sem sair de casa. Há outros serviços alternativos, como as que possibilita o aluguel de filmes via Internet, recebendo-os em casa e devolvendo-os quando bem entender.
Registro de Identidade Civil (Foto: Divulgação)
Registro de Identidade Civil (Foto: Divulgação)

5. Andar com vários documentos

Esse aí já está com o fim declarado: o RIC (Registro de Identidade Civil) deve unir todos os números de documentos que você tem em uma única carteira, parecida com um cartão de banco, que pode ser consultada por meio de um computador. Nele, estarão guardadas informações como o seu RG, CPF, título de eleitor, cor dos olhos, altura, impressão digital, e o que mais for necessário para você se identificar.

PlayStation Phone, da Sony Ericsson (Foto: EverythingAndroid.org)
PlayStation Phone, da Sony Ericsson (Foto: EverythingAndroid.org)

4. Videogames portáteis

Com a rápida evolução dos smartphones e a produção cada vez maior de jogos para eles, a tendência é que os videogames portáteis acabem - e junto com ele seus cartuchos/CDs. A Sony, por exemplo, lançou esse ano o PlayStation Phone, que além de ser um poderoso smartphone capaz de ver filmes, navegar na Internet e tirar fotos, também pode ser usado para jogar seus games preferidos. Outros smartphones, como o iPhone, já possuem em suas lojas de aplicativos vários jogos famosos e com gráficos bons, como o Need for Speed, que você pode ver no video abaixo.



3. Cadernos de estudo
Ir para uma sala de aula e ter que copiar no seu caderno as matérias desenhadas e detalhadas pelo professor no quadro negro, definitivamente já estão com os dias contados. Com um tablet à mão, você pode simplesmente receber o arquivo do material do professor, acompanhar as aulas com demonstrações animadas, fazer trabalhos em grupo e, inclusive, tirar suas dúvidas via Internet. Claro que haverá suas desvantagens, mas a tendência é inevitável.




2. Trânsito
Não que o trânsito já esteja com seus dias contados, mas com certeza haverá melhorias aos poucos. E claro, isso depende da adesão popular, já que muito do que tem sido feito para acabar no trânsito, hoje em dia, tem funcionado basicamente pela colaboração dos próprios motoristas. Um exemplo disso é o aplicativo para smartphones Waze, que funciona como uma rede social. Nela você pode compartilhar e receber informações sobre o trânsito com outras pessoas, criando uma grande rede atualizada em tempo real, bem como no Twitter, pela qual as pessoas têm informado as condições de trânsito e acidentes.



1. Sair escondido
Considerando que praticamente todo smartphone hoje em dia possui GPS, e que uma hora ou outra você vai precisar trocar de celular, em breve chegará a hora em que todos nós teremos um telefone com GPS no bolso. E aí, meu querido, é que os 'fujões' estão ferrados.

Hoje em dia já é possível rastrear qualquer smartphone, bastando, para isso, que o seu dono permita o compartilhamento da localização. Serviços como o Google Latitude, Glympse e Footprints pode, rapidamente, exibir a localização do seu esposo, filho ou amigo em um mapa, na tela do seu celular.

Obviamente o acesso pode ser restringido a apenas algumas pessoas, o que pode ser muito útil quando, por exemplo, você tiver problemas com o seu carro ou o seu celular for roubado. Isso porque nem mencionei que esta poderá ser a arma secreta dos mais ciumentos. Ops!



Fonte: techtudo - Allan Melo



O primeiro celular da história

Há quem se sinta nú sem ele, e que ache a morte ao ficar sem bateria. O fato é que os celulares são hoje um objeto de importância singular no mundo inteiro, seja para lazer ou trabalho. Mas você sabia que foram necessários mais de 50 anos para você ter esse aparelho em suas mãos?

A tecnologia necessária para desenvolver o primeiro celular propriamente dito foi criada em 16 de outubro de 1956, e o telefone móvel com essa tecnologia em 3 de abril de 1973, mas muita coisa aconteceu antes desse lançamento.

Há quem se sinta nú sem ele, e que ache a morte ao ficar sem bateria. O fato é que os celulares são hoje um objeto de importância singular no mundo inteiro, seja para lazer ou trabalho. Mas você sabia que foram necessários mais de 50 anos para você ter esse aparelho em suas mãos?

A tecnologia necessária para desenvolver o primeiro celular propriamente dito foi criada em 16 de outubro de 1956, e o telefone móvel com essa tecnologia em 3 de abril de 1973, mas muita coisa aconteceu antes desse lançamento.

Ericsson MTA, considerado o primeiro telefone celular (Foto: Divulgação)Ericsson MTA, considerado o primeiro telefone celular (Foto: Divulgação)

Nossa história começa em 1888, quando o físico alemão Heinrich Hertz (que dá nome a unidade de medida de frequência, Hertz) transmitiu pela primeira vez códigos sonoros pelo ar, o que possibilitou não somente o desenvolvimento dos rádio-transmissores, como também a primeira ligação telefônica intercontinental em 1914.

26 anos depois, em 1940, foi criado um sistema de comunicação à distância que possibilitava a mudança de canais de frequência, evitando, assim, que houvessem interceptações no sinal. Sete anos depois a empresa de tecnologia norte-americana Bell, que hoje faz parte da AT&T, se utilizou dessa tecnologia para desenvolver um sistema telefônico interligado por várias antenas, batizadas de "células", o que gerou o nome do aparelho.

Em 1956 a Ericsson, então, resolveu unir todas as tecnologias desenvolvidas anteriormente e finalmente criar o celular, chamado de Ericsson MTA (Mobilie Telephony A). O aparelho só era móvel se fosse levado em um carro, porque pesava quase 40 quilos, e o custo de produção também não facilitava sua popularização.

A primeira geração, ou 1G, a fase analógica, dominou o mercado no início dos anos 1980;

- A segunda geração, ou 2G, o início da era digital, desenvolvida no final dos anos 1980 e início dos anos 1990, usava os sistemas CDMA e TDMA. Também é a geração dos chips, o chamado GSM;

- A segunda geração e meia, ou 2,5G, uma versão melhorada da 2G, com melhor transmissão de dados;

- A terceira geração, ou 3G, a atual geração de celulares em boa parte do mundo, operando desde o final dos anos 1990, possibilitou o acesso a internet entre outras funções digitais avançadas;

- A terceira geração e meia (3,5G), assim como a 2,5G, é uma evolução da geração anterior, a 3G, com maior velocidade de conexão com a internet, o que a aproxima da velocidade da internet banda larga convencional;

- E por fim a quarta geração (4G), atualmente em desenvolvimento.

O que será que o “futuro” nos reserva?



Fonte: G1 techtudo - Romannessa Sanches

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Governo edita e diminui impostos sobre tablets

Dispositivos foram incluídos na chamada 'Lei do Bem'.

Produtos estarão isentos de incidência do PIS/Cofins




O governo publicou no Diário Oficial da União desta segunda-feira (23) a medida provisória número 534, que incluiu os tablets na chamada "Lei do Bem". A regulamentação era um dos passos aguardados dentro dos acordos entre o governo federal e a iniciativa privada para produção dos equipamentos no Brasil. A chinesa Foxconn, que monta o Ipad, da Apple, condicionava o início da produção no país à concessão de incentivos fiscais que já eram oferecidos para outros produtos de informática. Com a medida de redução de impostos, os preços dos tablets devem cair em 36%, segundo informou o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

A medida provisória publicada nesta segunda altera o artigo 28 da lei número 11.196, de 21 de novembro de 2005. Serão beneficiados dispositivos "que tenham uma unidade central de processamento com entrada e saída de dados por meio de uma tela sensível ao toque de área superior a 140 centímetros quadrados".

A publicação é a primeira providência do governo para desoneração. Na sequência, será publicada uma portaria interministerial do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), que enquadrará os tablets no Processo Produtivo Básico (PPB) como "microcomputador portátil, sem teclado físico, com tela sensível ao toque".

Impostos O secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto, já havia afirmado na quinta-feira (19) que o governo federal deveria incluir os tablets na chamada Lei do Bem. Segundo Barreto, a medida isenta os produtos da incidência do PIS/Cofins. Segundo Barreto, a Receita também deve criar um código específico para os tablets, diferenciando-os dos notebooks.

Atualmente, os produtos importados são classificados como palmtops. Como há o interesse de empresas na produção dos tablets no país, essa classificação é necessária para que haja uma isenção de PIS e Cofins de 9,25%, conforme previsto na Lei de Informática. A portaria interministerial que vai definir o processo produtivo básico (PPB) para tablets deve garantir ainda uma redução do IPI de 15% para até 3%.

Fonte: g1

sexta-feira, 20 de maio de 2011

TORTA DE BANANA CARAMELIZADA







Ingredientes:

6 a 8 bananas

Para caramelizar:

2 xícaras (chá) de açúcar
1/2 xícara (chá) de agua fervente

Massa:

02 xícaras (chá) farinha de trigo
01 xícara (chá) de açúcar
1/2 xícara (chá) manteiga
04 gemas
01/2 xícara (chá) de leite
01 colher (chá) de fermento em pó
01 pitada de sal
04 claras em neve

Preparo:

Derreta o açúcar no fogo e acrescente a água fervida .Mexa até dissolver os torrões de açúcar e ficar em ponto de calda. Caramelize a forma e disponha as bananas fatiadas no sentido do comprimento. Reserve um pouco para o recheio. Na batedeira bata a manteiga as gemas e o açúcar. Acrescente, aos poucos, o trigo, o leite e as claras .Por último o fermento em pó. Coloque parte da massa na forma caramelizada .Coloque o restante das bananas fatiadas no meio e cubra com o restante da massa .Leve ao forno médio, pré - aquecido, por aproximadamente 40 minutos, ou até dourar.Desenforme e sirva.

Fazer Diferente: Entrevista com estagiário - Parte 1 e 2


quarta-feira, 18 de maio de 2011

Compras coletivas até com Dinheiro, ação do Peixe Urbano

Consumidores puderam comprar notas de R$ 100,00 por R$50,00


O Peixe Urbano instalou uma máquina de autosserviço para vender dinheiro no shopping Pátio Paulista, em São Paulo, nos últimos dias 12 e 13. Os visitantes, ao passarem pelo equipamento, poderiam comprar uma nota de R$ 100,00 pagando R$ 50,00, ou uma de R$ 50,00 por R$ 20,00. A ação, que movimentou o estabelecimento e criou uma extensa fila, faz parte da estratégia de Marketing do site para divulgar o conceito de compras coletivas.





terça-feira, 17 de maio de 2011

Jamie Beck e suas impressionantes fotos que se movimentam
















A fotógrafa novaiorquina Jamie Beck mudou totalmente o conceito de GIFs animados ao criar uma respeitada forma de arte, apresentando fotos extremamente impressionantes.

Para quem não sabe, os GIFs animados são famosos na internet. Entretanto, a grande maioria tem caráter humorístico e não guarda grandes preocupações com a qualidade das imagens. O que Jamie faz é exatamente o contrário. As imagens possuem incrível realismo e chama atenção pelos detalhes.

Batizadas como “cinemagraphs”, ela busca não esgotar as possibilidades de uma imagem. Esta realmente parece ser a chave para criar uma arte respeitável.

Fonte: IG



sábado, 14 de maio de 2011

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Maminha com Bacon e batatas assada



Ingredientes:

- 1 maminha Aprox. 1kg
- 4 dentes de alho
- 200 grs de bacon fatiadosou picadinhos
- 2 colheres de sopa bem cheia de manteiga
- sal a gosto
- Ervas
- 1 kg de batatas descascadas.


Preparo:

Faça alguns talhos na maminha e coloque sobre eles as laminas de alho e os pedaçinhos de bacon. Faça uma pasta com a manteiga ervas e o sal e unte toda a maminha, coloque fatias de bacon por cima da maminha. Numa assadeira, coloque a maminha enrrolada e as (batatas cruas com sal e azeite) embrulhadas em papel alumínio. Leve ao forno médio até as por uma hora, depois retire o papel alimínio e deixe dourar por 3o minutos.

Porção para 4 pessoas.

Chupadas na publicidade








terça-feira, 10 de maio de 2011

Maringá 64 anos

Um belo vídeo com uma música que marca da prefeitura de Maringá. Parabéns a Meta Propaganda.




Propagandas que deram mau...

Algumas propagandas são colocadas no local errado, e a empresa deixa como está. Os exemplos são incontáveis... há os que colocaram propaganda no lugar ou hora errada(o), os anúncios que acabam formando uma imagem esquisita no contexto, ou ainda os que contaram com o azar.

Pelo visto, os erros mais comuns são: colocar um banner de internet baseado em palavras-chave (corre o risco de colocar um banner anunciando pacote turístico pro Egito em um site que está falando sobre as guerras no Egito, por exemplo) ou colocar um anúncio em uma peça sem antes checar os detalhes de como ela ficaria na realidade.

Para começar a divulgação, segue uma amostra de escorregadas em propagandas feitas em ônibus.

Cômico para nós, trágico pros anunciantes:








Fonte: mundodomarketing